PY2GEA
Grêmio de Radioamadores da Rodada Encontro de Amigos

Teste do agrotóxico
03/11/2002

Agrotóxico, pesticida, defensivo agrícola. Três nomes para um só produto - o veneno contra as pragas da lavoura. Os técnicos garantem: se for usado com critérios, o agrotóxico não faz mal à saúde.
Mas muitos agricultores utilizam agrotóxico em excesso. "São poucos estados que fazem uma fiscalização permanente. A maioria dos estados no Brasil não fiscaliza", diz o chefe de fiscalização do Paraná, Reinaldo Skalisze.
Foram testadas 53 amostras de alimentos compradas em seis cidades brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Petrolina, em Pernambuco. Maçãs, uvas, morangos, couve, agrião, salsa, batatas, tomates e repolho.
Foram compradas também batatas de cultivo orgânico, que não utiliza agrotóxicos, e alface hidropônica, cultivada em água, também sem uso de pesticidas. Isso para saber se os produtores estão realmente vendendo o que anunciam.
Os testes foram feitos no laboratório do Departamento de Biologia Celular e Genética, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).
"A proposta desse método é ser um método de alarme. Você tem uma metodologia mais barata e mais rápida para avaliar a produção e dizer se o consumidor pode ou não utilizar aquele alimento", explica a bióloga da Uerj, Maria de Fátima Ferreira.
Resultado dos testes. Para as batatas orgânicas e a alface hidropônica, nota dez. Elas não tinham qualquer contaminação. Mas atenção autoridades dos setores agrícola e de saúde pública: os produtos da agricultura tradicional apresentaram problemas.
Os seis estados tiveram amostras reprovadas por contaminação de agrotóxicos. Veja a relação dos alimentos que oferecem risco à saúde:
Pernambuco - salsa
Rio de Janeiro - salsa
Rio Grande do Sul - batata e couve
Paraná - agrião, batata e salsa
São Paulo - agrião, batata e salsa
Minas Gerais teve o maior número de reprovações. Foram cinco - agrião, alface, couve, salsa e uva
Os técnicos chamam a atenção das autoridades para os alimentos que mais aparecem na lista: a salsa, o agrião e as batatas. No caso do Paraná, a contaminação das batatas é altíssima: quase 60 vezes acima do nível tolerado.
"Provavelmente, o que está acontecendo na maior parte desses produtos é realmente uma contaminação no produtor, quer dizer, uso inadequado de agrotóxico, não respeitar o período de carência após a aplicação do agrotóxico antes da colheita. Isso é muito comum acontecer", opina Mauro Velho, professor de Biologia da Uerj.
No Paraná, a reportagem do Fantástico apurou que as batatas contaminadas, embora vendidas na Ceasa de Curitiba, foram cultivadas em São Paulo. Nossa reportagem procurou a Secretaria de Saúde do Paraná, mas lá ninguém quis falar sobre o assunto.
Em São Paulo, o secretário de Agricultura, Lourival Mônaco, procurou tranqüilizar os consumidores. "A Secretaria, a partir de agora, levantará não apenas as propriedades, mas outras da região, verificará o uso de produtos pesticidas utilizados no processo, verificará se o que está acontecendo é um problema de treinamento ou de erro na aplicação e, a partir daí, todas as providências serão tomadas", afirma o secretário de Agricultura.
Agora, veja como reduzir em casa os agrotóxicos dos alimentos. Será que você sabe exatamente o que deve ser feito?
No caso das frutas e legumes, o mais seguro é comer sem casca. "Nós estamos perdendo alguns nutrientes, mas nós temos que optar: ou perdemos nutrientes ou arriscamos, às vezes, a estar ingerindo algum agrotóxico", Neide Botrel, agrônoma da Uerj.
Quanto às verduras, segundo os técnicos da Uerj, a grande arma contra os agrotóxicos é o bicarbonato de sódio. Primeiro, lave bem as verduras com água corrente. Em seguida, use o vinagre para combater as bactérias: duas colheres para um litro de água. Água sanitária também serve: uma colher de chá para um litro d'água.
Deixe de molho por três minutos. Lave novamente e ponha as verduras em uma solução de água com bicarbonato de sódio. Uma colher de bicarbonato para um litro de água. "Essas verduras ficarão de molho nessa água com bicarbonato de 20 a 30 minutos. Esse é o tempo suficiente para retirar esses agrotóxicos. A seguir, essas verduras podem ser lavadas e consumidas", afirma a bióloga Maria de Fátima.
Segundo os técnicos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, o bicarbonato elimina de 80% a 90% do agrotóxico das verduras. Agora sim: enquanto as autoridades não aumentam a fiscalização sobre o uso de agrotóxicos, você pode comer uma boa salada sem riscos para a saúde.

Volta PY2GEA Volta Saúde