PY2GEA
Grêmio de Radioamadores da Rodada Encontro de Amigos

Campanha de Combate às Verminoses

São muitos os nomes pelos quais são conhecidos os vermes – solitária, amarelão, lombriga e tantos outros –, mas pouca a importância que se dá a eles. Estatísticas indicam que 80% a 90% da população brasileira possui algum tipo de verme. Ao contrário do que se costuma pensar, seus portadores não são apenas crianças ou moradores da zona rural, ainda que sua incidência seja maior nestes casos. Também há adultos das diversas classes sociais e moradores das grandes cidades são atacados.
Cansaço, falta de disposição, fraqueza, dores de barriga e enjôos são alguns dos sintomas causados pelas verminoses. Entretanto, por serem tão comuns no dia-a-dia das pessoas, eles acabam sendo ignorados ou associados a outras doenças, como o estresse. Por este motivo, pessoas podem passar a vida inteira portando parasitas – e sofrendo com os sintomas – sem tomar conhecimento disto.
Pesquisa realizada em 1998 pelo Ministério da Saúde, com patrocínio da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), detectou incidência de 90% de vermes entre os moradores da Paraíba, 83% no Rio Grande do Norte, 81% em Alagoas e 42% em Pernambuco. Estes números estão entre os maiores do Brasil.
Pensando na alta incidência de verminoses na população – e na desatenção que se têm observado em relação a isto –, a Janssen-Cilag está iniciando uma grande campanha para a prevenção e a erradicação destes parasitas. A campanha será realizada em São Paulo, Recife, Maceió e Natal.
Todas as ações foram planejadas para conscientizar e informar a população sobre os meios pelos quais os vermes são transmitidos ao ser humano. Para Sérgio L. Bartczak, diretor médico do laboratório, a informação é essencial no combate a essas doenças. "A prevenção destes parasitas só ocorrerá quando as pessoas adquirirem conhecimento sobre a doença e tomarem os cuidados necessários para evitá-la", afirma. Além da desinformação, as principais causas do contágio humano por verminoses são as condições sanitárias existentes no local em que se vive e a falta de higiene.

Obs.: Este texto foi extraído de pesquisas na internet. O original se encontra arquivado

Volta PY2GEA Volta Saúde